De Anti-Ageing à Pre-Ageing: A próxima tendência em beleza

De Anti-Ageing à Pre-Ageing: A próxima tendência em beleza

Na coluna deste mês, quero apresentar a vocês uma tendência que está se tornando muito relevante para o futuro da beleza e da cosmética: o Pre-Ageing. Numa publicação de 2017 da Ars Pharmaceutica, Francisco José González, da Universidade de Sevilha, faz uma viagem muito interessante sobre o que poderia ser a origem dos cosméticos. Ele indica que em algum momento da antiguidade o Homo Sapiens observou seu reflexo nas águas cristalinas de uma lagoa na África, tomou consciência de si mesmo e nessa época passou a ter consciência da beleza. Desde os primórdios da humanidade, houve uma tendência a modificar externamente o aspecto que sempre esteve relacionado ao sucesso social, aos códigos de guerra e amor e também ao reforço da auto-estima.

Uma tendência é definida como a direção na qual um mercado pode se mover por um determinado período de tempo. Tendências são correntes de mudança que nascem, evoluem e morrem. O conceito de beleza mudou e evoluiu ao longo dos séculos e continuará a fazê-lo, gerando diferentes tendências que dependem de tradições culturais, sociais, ambientais, científicas e até religiosas em alguns casos.

Civilizações antigas como a Babilônia, a Egípcia, a Grega e a Romana usavam algo semelhante ao que hoje entendemos como sabonete para limpar e cuidar da pele. Os egípcios, por exemplo, usavam uma pasta de sabão de cinza e argila misturada com óleos naturais como um produto exclusivo para as classes altas da sociedade.

sunscreen

González cita em seu artigo que, após a Primeira Guerra Mundial, o look atlético entrou na moda pela primeira vez, e com ele olhos escuros, batom vermelho, esmalte vermelho e bronzeado, uma afirmação da moda. Feita por Coco Chanel, em contraponto ao antigo costume de manter a pele pálida. Em 1935, na Europa, a Comissão Internacional de Iluminação (ICI) publicou curvas mostrando o efeito da energia radiante de diferentes comprimentos de onda na produção de eritema e em 1936, na França, o químico E. Scieller comercializou o primeiro filtro solar. Era um preparado âmbar, com base em salicilato de benzoíla. Enquanto isso, nos Estados Unidos, entre 1939 e 1942, o trabalho de vários cientistas comprovou que os raios solares são os responsáveis ​​pelas queimaduras. Em 1943, a primeira formulação bloqueadora do sol foi lançada na Austrália e em 1956 o conceito de FPS foi desenvolvido na Alemanha. A era do pós-guerra motivou o uso global de produtos cosméticos. A ascensão de Hollywood e da TV em cores foram os gatilhos. Todos esses avanços científicos nos permitiram entender o papel da radiação solar nos processos de envelhecimento. Em 1987 nasceu a combinação de protetores solares com hidratantes, anti-rugas e anti-radicais livres, dando origem ao conceito Anti-Ageing em cosméticos. Durante os anos 90, 2000 e 2010, assistimos a um boom espetacular das tecnologias e à descoberta de marcadores moleculares e bioquímicos relacionados com os conceitos de Anti-Ageing. Os cosméticos tiveram avanços muito importantes graças a isso.

Em meados da década de 2010, começamos a ver um novo movimento baseado em uma abordagem diferente para o envelhecimento e um poderoso insight do consumidor: “Quando as mulheres competem para permanecer jovens, enfrentamos nossa própria falta de poder”. Conforme publicado pela Vogue em uma edição da época. Penelope Cruz disse uma vez: “minhas avós tinham muitas rugas e cada uma contava uma história”. Começamos então a ver publicações sobre como as mulheres não queriam mais apagar as rugas do rosto, nem uma pele lisa em que todas as suas experiências fossem borradas. Em 2017 a revista Allure declarou o fim do termo Anti-Ageing, o que gerou uma onda de apoio no setor e vimos como as novas tecnologias e benefícios eram a favor do Pro-Ageing. Pro é um prefixo que significa “a favor de” e ser a favor da passagem do tempo implica torná-lo nosso aliado.

A primeira pessoa a cunhar o termo Pro-Ageing foi Aubrey de Gray, um gerontólogo biomédico inglês e autor de obras conhecidas como The Mitochondrial Free Radical Theory of Aging. Ao contrário do Anti-Ageing, que geralmente visa retardar o envelhecimento, o objetivo principal do Pro-Ageing está relacionado ao “envelhecimento positivo”, que foca em aceitar a realidade de como os fatores cronológicos e biológicos nos afetam e tratam a pele para que se sinta bem durante todo estágios da vida. Portanto, podemos dizer que o Pro-Ageing está relacionado a estarmos livres e nos sentirmos bem com a nossa pele, com seu processo e com nossa vontade de cuidar de nós mesmos, sem a necessidade de aceitar certas regras por ter atingido uma determinada idade.

wearing mask and washing hands

No momento atual que vivemos, testemunhamos como a pandemia está gerando novas tendências em beleza e cosméticos. Como consumidores, nunca mais seremos os mesmos. Queremos melhorar o mundo para nosso próprio bem e para a humanidade. A Euromonitor publicou as 10 principais tendências de consumo este ano e vemos como o consumo começa a ser mais cuidadoso, enquanto a resiliência e a adaptabilidade são suas principais forças motrizes. O consumidor está obcecado com a nova realidade, por isso as prioridades mudaram para a segurança, higiene e prevenção. Quando falamos em prevenção, a nova forma de viver está nos influenciando a entender melhor os efeitos da higiene e desinfecção excessiva na pele, superexposição à luz azul, longos períodos de quarentena e baixo contato social. O consumidor está identificando que precisa prevenir esses efeitos. Por essas razões, a pandemia está gerando uma nova tendência: o Pre-Ageing.

Anos 80: Anti-Ageing    →    2017: Pro-Ageing    →    2021: Pre-Ageing

The next pandemic: A próxima pandemia são problemas dermatológicos nas mãos devido à limpeza excessiva. Por esse motivo, estamos vendo lançamentos de tecnologias muito interessantes que ajudam a reduzir e neutralizar os danos à pele e a restaurar o equilíbrio do microbioma na pele das mãos. Também novos sistemas de limpeza eficazes e mais suaves. Formulações com a claim de microbiome friendly estão começando a se tornar uma tendência.

Maskne: A acne gerada pelo uso de máscaras é um dos grandes desafios da cosmética … como podemos evitá-lo?

Blue light: No que diz respeito à luz azul, estamos vendo novas moléculas com mecanismos mais abrangentes que ajudam a bloquear os efeitos dessa radiação na pele e também novos materiais que ajudam a bloquear esses raios.

Química das emoções: O estresse produzido pela pandemia, infecções e problemas econômicos e sociais também estão se manifestando na qualidade da pele e os consumidores começam a se dar conta disso. A química do humor e das emoções está se tornando muito relevante na cosmética. Estamos vendo novas publicações científicas relacionadas ao papel dos hormônios e transmissores neutros nos processos de envelhecimento da pele. O cortisol e os mecanismos para evitar seus efeitos na pele ainda estão em alta e também vemos novas descobertas relacionadas à serotonina, oxitocina, norepinefrina, histamina, acetilcolina, dopamina e B-endorfinas. Também estamos examinando os mecanismos cosméticos relacionados aos benefícios da meditação, ioga e exercícios para a pele. O riso é um dos próximos alvos cosméticos, porque ao compreender melhor a bioquímica do riso, veremos mecanismos para cuidar da pele sob o conceito laugh-like.

Zoom & Teams beauty: O terço superior do rosto é a nova área de interesse. Queremos ter uma aparência perfeita em todas as nossas reuniões Zoom e Teams. Muitos tratamentos faciais têm como alvo a área da bochecha para cima.

Influenciadores Masculinos: Estamos vendo nas redes um aumento de influenciadores masculinos especializados em cuidados com a pele, que orgulhosamente exibem suas prateleiras repletas de diferentes cosméticos enquanto compartilham rotinas divertidas para diferentes tipos de pele. Grooming se reinventa.

medico online

Dermatologistas Online: A dermatologia online é um dos grandes avanços deste ano. Por exemplo, o portal Skin + Me é um novo site administrado por dermatologistas, que oferece cuidados com a pele personalizados por meio de análises iniciais.

Pré-grisalho: Estamos vendo um boom na tecnologia que impede a formação de cabelos grisalhos. Essa afirmação começa a ganhar popularidade, uma vez que as pessoas têm mais tempo em casa para fazer o tratamento de maneira adequada.

Pre in Nails: Vemos tratamentos de spa especializados no tratamento de cutículas, óleos que se aplicam para melhorar o crescimento saudável das unhas e prevenir a sua deterioração e esmaltes com vitaminas e menos solventes, entre outras inovações.

Skinimalism: Muitos consumidores estão descendo várias etapas em sua rotina de cuidados com a pele. Por um lado, muitas pessoas têm muito menos dinheiro disponível como resultado da crise econômica pós-Covid e também há uma maior consciência dos impactos que a indústria da beleza pode ter no meio ambiente.

Contactless beauty: Os tratamentos sem contato reinarão supremos e estão se tornando cada vez mais populares. Clínicas e centros especializados estão adaptando seus tratamentos para atender à nova necessidade.

PRE-AGEING = PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO. Essa é uma grande oportunidade de inovação para os cosméticos, já que o consumidor quer prevenir o contágio e também prevenir os efeitos da pandemia em sua pele. O principal aprendizado do coronavírus é a prevenção, tendo a pele e o corpo preparados, fortalecendo e cuidando deles, que nos ajudará a enfrentar os novos desafios que virão no futuro. A grande tendência mundial é a prevenção e a beleza não pode ficar para trás.


Mais artigos sobre tendências de mercado? Leia mais de John Jimenez:

Biohacking e as novas tendências em cosméticos

Quais são as últimas tendências em Beleza Vegana e por que estão em alta?

Tendências em diversidade e inclusão para cosméticos

Tagged , , .

Farmacêutico (Universidade Nacional, Colombia), com um Master em Desenvolvimento Sustentável (EOI Business School, Madrid) e estudos de pós-graduação em Marketing, Ciência Cosmética e Neuromarketing. Ele tem 28 publicações em revistas científicas e um capítulo de livro em formulação cosmética. Maison G de Navarre Prize (IFSCC 2004), Henry Maso Award (IFSCC 2016) e melhor trabalho científico em Colamiqc Equador 2009, Colamiqc Brasil 2013 e Farmacosmética Colombia 2014. Ele foi palestrante em várias conferências internacionais na Europa e América Latina. Desde 2013 escreve a coluna "Tendências" na revista Cosmetics & Toiletries Brasil. Ele é membro da Scientific Advisory Board de Cosmetics & Toiletries dos EUA. Presidente da Accytec Bogotá 2017-2019. Ele é atualmente Cientista Pesquisador Sênior na Belcorp, Colômbia.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.