Química verde, uma ferramenta valiosa para cosméticos à prova do futuro

Química verde, uma ferramenta valiosa para cosméticos à prova do futuro

Vivemos tempos interessantes e enfrentamos incertezas e a necessidade de nos adaptarmos às diferentes condições de trabalho e de vida. Como resultado da pandemia, muitos de nós nos sentimos mais próximos da natureza de uma maneira ou de outra, e isso levou a um aumento da conscientização ambiental e ao surgimento do consumidor nativo ecológico.

Essa consciência pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes. No entanto, para nós cientistas e profissionais do setor, a química verde fornece uma ferramenta útil e unificadora que pode se adaptar às novas necessidades da nossa indústria.

Ela fornece critérios claros e objetivos, como os chamados 12 princípios, que podem nos guiar no uso de cadeias de suprimentos para cosméticos, desde a compra de matérias-primas renováveis ​​até os processos químicos envolvidos, bem como os problemas de “fim da vida útil” para esses ingredientes ou produtos.

As tecnologias que seguem esses critérios serão essenciais para impulsionar a inovação necessária na indústria, a fim de substituir as matérias-primas com um bom desempenho, mas com um final de vida não tão bom.

É algo bastante difícil propor uma alternativa que seja um rebaixamento, no que diz respeito ao desempenho, “apenas” para salvar o meio ambiente.

Portanto, precisamos buscar algo que seja pelo menos equivalente e ainda melhor. Às vezes, isso requer um ensinamento para explicar diferentes desempenhos sensoriais, como, por exemplo, catiônicos biodegradáveis, que têm uma textura muito diferente em comparação ao CTAC, mas ainda condicionam o cabelo muito bem.

No que diz respeito ao desempenho, de certa forma os antigos ingredientes químicos são uma grande inspiração e ajudaram a entender o que não queremos em termos de seus efeitos no final da vida útil sobre o meio ambiente.

Há muita inovação verde muito interessante acontecendo no momento, não apenas em cosméticos, mas também em embalagens, outro elemento essencial de nossa indústria; existem muitos emolientes de base biológica com desempenho semelhante aos silicones, em termos de índice de refração, textura e brilho. Consigo ver mais desses produtos chegando ao mercado.

O problema dos microplásticos continua sob escrutínio e, esperançosamente, em breve haverá uma revisão regulatória rigorosa sobre sua persistência no ambiente. Como resultado, os modificadores de reologia de base biológica estão destinados a se tornar cada vez mais populares – mesmo que ainda haja espaço para melhorar o aspecto da textura das coisas, dependendo da aplicação.

Os filtros UV são outra área de grande potencial de inovação. Os filtros químicos estão se tornando cada vez mais controversos devido ao seu impacto na vida marinha, enquanto os filtros solares minerais podem ser desconfortáveis ​​de usar, dependendo do tamanho das partículas. No momento, existem alguns reforçadores UV de química verde que permitem uma porcentagem menor de filtros UV, fornecendo, portanto, uma textura mais elegante.

Acredito que o fim da vida útil, portanto a biodegradabilidade, a fotodegradação (se esse é realmente um mecanismo eficaz), a toxicidade aquática e a bioacumulação, são tão importantes para reduzir a poluição da água e dar aos consumidores confiança em cosméticos. Existem métodos validados disponibilizados pela OCDE, cujos resultados podem ser encontrados nas fichas de dados de segurança. No entanto, ainda há muito trabalho a ser feito para desenvolver métodos adequados para todos os tipos de moléculas e ambientes ou condições, especialmente para a avaliação do impacto do filtro UV na vida marinha.

O desenvolvimento de métodos de teste, emparelhado com parcerias estratégicas, é outra área de grande potencial de inovação, pois isso permitiria à indústria medir o impacto ambiental e potencialmente validar reivindicações ambientais muito interessantes.

Nos últimos dois anos, tive o prazer de moderar a área de sustentabilidade na in-cosmetics Global. A in-cosmetics Latin America também oferece a Green Trail, uma trilha especificamente projetada para guiar os visitantes pelos espositores que oferecem matérias-primas “verdes” e soluções sustentáveis. Imperdível!


Se você deseja saber mais sobre química verde e sustentabilidade, visite a feira para explorar possibilidades e conhecer fornecedores de matérias-primas que compartilharão os resultados de seus esforços em química verde, impulsionando a inovação no setor.

Você também vai se interessar…

Simple Organic faz sucesso desde o nascimento

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.