Haptic Beauty: Uma Nova Definição na Indústria de Beleza

Haptic Beauty: Uma Nova Definição na Indústria de Beleza

A indústria da beleza gera vendas anuais de US $ 500 bilhões e também milhões de empregos. Se nos referirmos à crise de 2008 e 2009, em termos gerais, podemos dizer que as vendas diminuíram um pouco e se recuperaram em 2010. Nosso setor sempre foi resiliente diante das crises.

A McKinsey & Company publicou um artigo interessante em 5 de maio sobre as projeções econômicas em nosso setor devido à pandemia. Todos nós experimentamos no primeiro e no segundo trimestre deste ano uma diminuição nas vendas e fechamento de lojas em nossos países e a projeção é que o mercado possa diminuir 35% apenas nos Estados Unidos, estimando uma recuperação sustentada significativa a partir do primeiro trimestre de 2022.

O termo háptico refere-se à ciência do toque, como uma analogia com a acústica (audição) e a ótica (visão). Abrange o estudo do comportamento e das sensações de contato. Um relatório de marketsandmarkets pré-Covid-19 indica que o valor de mercado da tecnologia háptica, que inclui categorias como componentes (atuadores, drivers e controladores), feedback (toque, força), aplicação (automotiva e de transporte, eletrônica, saúde, jogos, engenharia, educação e pesquisa), entre outros, tem um valor projetado de US $ 19,55 bilhões para 2022 e um CAGR de 16,20%, entre 2016 e 2022.

A recuperação da indústria de cosméticos considera dois aspectos principais: onde e como os produtos de beleza são vendidos e o que é comprado. Os hábitos e tendências do consumidor estão mudando, como o aumento acentuado do comércio on-line, a nova vida home-office e os conceitos de self care e DIY. Como podemos fornecer novas experiências de consumo diante dessas mudanças? É precisamente aqui, onde a háptica representa uma oportunidade para nossa indústria. Abaixo, veremos alguns exemplos de mercado que estão impulsionando essa tendência e também inspirando a indústria da beleza.

Virtual sense of touch: Um dos grandes avanços que veremos em nossa indústria é sobre como usar e aplicar os fundamentos do háptico para aprimorar a experiência sensorial dos produtos. Nós, formuladores, sabemos que a percepção e a eficácia andam de mãos dadas e, portanto, uma formulação pode alterar as propriedades da superfície da pele, como hidratação, suavidade e aspereza.

A realidade virtual se concentra na visão e no som, mas existem poucas tecnologias relacionadas ao toque. Recentemente, pesquisadores da Northwestern University criaram uma “pele háptica flexível” que espera fornecer um senso virtual de toque semelhante ao toque humano. O estudo foi publicado na revista Nature em novembro de 2019. Terá aplicações para interações sociais através de sistemas informatizados, em medicina para protocolos de reabilitação, jogos e entretenimento e, é claro, na indústria da beleza.

O sistema de percepção háptica inclui os receptores localizados em todo o corpo e os avanços são surpreendentes, porque agora é possível desenvolver sensações hápticas virtuais. Portanto, os hápticos desempenharão um papel importante, trazendo sensações táteis para o processo de seleção do consumidor (mesmo quando o consumidor não estiver na loja ou na frente do produto). Os dispositivos hápticos terão sensores que fornecerão experiências táteis que serão relacionadas às sensações na pele ao aplicar um produto. Vamos imaginar que os consumidores possam virtualmente sentir o nível de atrito de uma esfoliação ou a suavidade de um hidratante de suas casas.

Digital touch: Como tocar e sentir objetos que não existem? Mar González Franco, pesquisador da Microsoft Research, está trabalhando em um projeto para proporcionar sensações táteis na realidade virtual. Esse grupo desenvolveu o protótipo de um acessório, sem partes móveis, que permite que sensações como pressão e textura de objetos tocados na realidade virtual, denominada Torc, sejam sentidos nos dedos da mão. Graças aos hápticos, é possível replicar a elasticidade dos objetos quando eles são mantidos à mão. As sensações são transmitidas a três dedos, o que é suficiente para criar uma ilusão real. O Torc usa um sistema de sensores táteis e de força para detectar a posição de um polegar em movimento e dois atuadores duplos que vibram com outros dois dedos para simular texturas que realmente não existem. Vamos imaginar que, em um futuro próximo, poderemos usar a realidade virtual para entrar na loja de cosméticos de nossa escolha, tocar e experimentar diferentes texturas … virtualmente.

Haptx: É uma luva háptica que fornece 130 pontos de feedback para a mão de uma pessoa para sentir a forma, a textura e o movimento dos objetos. Atualmente, possui aplicação com simuladores de voo e na indústria automotiva.

Ultraleap: Devido às sensações táteis produzidas com ultra-som, também é possível experimentar texturas. Possui um software que rastreia os movimentos das mãos e envia ondas de ultrassom no momento em que o objeto virtual é tocado. No futuro, o ultrassom também nos permitirá experimentar tipos diferentes de texturas cosméticas.

Virtual body: A Actronika é uma startup parisiense especializada em tecnologia háptica que projetou um “colete háptico”, apresentado no CES2020, que permite ao usuário sentir as interações do mundo virtual como fogo, vento, pancadas e batimentos cardíacos. Veremos aplicações cosméticas para body care no futuro?

Haptic devices: Os dispositivos hápticos permitem projetar em 3D, otimizar simulações científicas e médicas e aumentar a produtividade por meio do aprendizado interativo. O Touch é um dispositivo motorizado que aplica feedback de força à mão do usuário, permitindo que eles sintam objetos virtuais e produzam sensações táteis reais à medida que o usuário manipula objetos 3D na tela.

Haptic gloves: Com essas luvas, será possível sentir texturas e formas de objetos virtuais e elas foram criadas para contribuir com os processos de reabilitação médica. É um novo elemento desenvolvido pela Teslasuit que permitirá aproximar as experiências digitais das experiências sensoriais. Os usuários poderão perceber texturas e formas virtuais. Eles combinam várias tecnologias para criar a impressão de tocar e segurar objetos digitais.

Mantis: Este é um braço háptico robótico que fornece feedback háptico e simula o sentido do tato. Este dispositivo permite que as pessoas toquem e sintam objetos 3D, adicionando mais profundidade à experiência de realidade virtual.

Haptic Beauty… Estamos diante de uma nova definição de beleza. A realidade virtual começou com a visão e a audição e seu desenvolvimento aumentará com a participação dos outros sentidos à medida que as investigações progridem. O site CosmeticDesign publicou um artigo em 22 de maio afirmando que os haptics também terão aplicações na personalização de embalagens de perfumes.

O próximo sentido a ser desenvolvido para a VR é o toque, e depois o sabor e cheiro. Quando isso acontecer, nos sentiremos protagonistas do Ready Player One. A tecnologia háptica e as novas descobertas na biology of touch guiarão parcialmente a inovação cosmética nos próximos anos.

__________________

REFERÊNCIAS
https://www.mckinsey.com/industries/consumer-packaged-goods/our-insights/how-covid-19-is-changing-the-world-of-beauty
https://www.marketsandmarkets.com/PressReleases/haptic-technology.asp
https://www.nature.com/articles/s41586-019-1687-0
https://www.lavanguardia.com/tecnologia/20190929/47707330533/innovacion-realidad-virtual.html
https://www.realovirtual.com/noticias/7615/actronika-lanzara-este-ano-chaleco-haptico
https://www.infobae.com/america/tecno/2020/01/05/con-estos-guantes-sera-posible-sentir-texturas-y-formas-de-objetos-virtuales/
https://www.thenewnow.es/innovacion/brazo-haptico-robotico-mantis/
https://www.cosmeticsbusiness.com/news/article_page/Cosmetics_Business_reveals_5_key_beauty_start-up_trends_and_advice_in_new_report/165413

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *