Hábitos e tendências do consumo de protetores solares no Brasil

Hábitos e tendências do consumo de protetores solares no Brasil

Por Silvia Lourenço

Pesquisa da Mintel realizada em dezembro de 2016 revela que 33% dos entrevistados usam protetores solares todos os dias, inclusive durante o inverno, porém 35% deles afirmam que se esquecem de aplicar o produto. Embora o mercado de proteção solar esteja crescendo a cada dia no Brasil, o uso do protetor ainda é sazonal e a maioria das pessoas associa a necessidade de se proteger, apenas aos dias ensolarados ou ao verão.
A perspectiva do mercado de proteção solar no Brasil (incluindo protetores solares, autobronzeadores e pós-sol) é de crescimento para os próximos anos. Em 2014 o mercado cresceu 18.2%, comparado ao ano anterior, já em 2015 com a recessão econômica no país, o mercado caiu 1.9% em relação a 2014. Em 2016 voltou a crescer, e a Mintel estima que nos próximos 5 anos (de 2017 a 2021),  o mercado cresça  uma média de 10% ao ano, atingindo vendas de 3,77 bilhões de reais em 2021.

Empresas líderes no mercado de proteção solar no Brasil.
As três líderes possuem pouco mais de 50% da participação do mercado. A Johnson & Johnson lidera o mercado com participação de 38.1% (registrada em 2015). A Beirsdorf AG ocupa o segundo lugar com 11.7% de participação no mercado (2015), e o Grupo L’Oréal está em terceiro lugar com uma participação de 9.8% (2015).

O consumidor brasileiro
De acordo com a pesquisa 33% dos brasileiros entrevistados usam protetores solares durante todo o ano, inclusive no inverno; 23% usam apenas durante o verão; 17% dos entrevistados usam ​​apenas em dias ensolarados; 16% não usam protetor solar; 12% usam na maior parte das estações mas não usam no inverno; 7% usam proteção solar quando estão em férias.

 Formatos e benefícios que mais atraem o consumidor
Protetores solares em forma de cremes ou loções são mais associados a hidratação (70%) e a longa duração (58%), essa é a textura mais utilizada pelos brasileiros, no entanto 38% das pessoas entrevistadas acreditam que esses produtos em loções e cremes entopem os poros da pele. A pesquisa indica que as marcas devem tentar desenvolver produtos com as texturas mais leves, chamando a atenção na embalagem do produto, para os benefícios que vão além da proteção contra os raios do sol, como controle de sebo na pele, sem bloquear os poros, etc.

Dicas dos pesquisadores
A maioria dos brasileiros entrevistados procuram protetores solares com um benefício duradouro. Além disso, eles também querem produtos que são impermeáveis, evitam a transpiração, e possuem uma fórmula de absorção rápida. Todos esses atributos revelam a tendência global do consumidor que precisa de produtos práticos, para não perderem tempo. Protetores solares que são fáceis de usar, e oferecem outros benefícios que vão além da proteção solar (como anti-manchas, anti-envelhecimento e hidratação), podem atrair os consumidores brasileiros.

Desafios das marcas
A pesquisa revela que parte da população brasileira ainda considera que os produtos para proteção solar estão diretamente ligados à exposição ao sol e ao calor.
O mercado tem muito a crescer no Brasil, mas o grande desafio das marcas e fabricantes é explicar os riscos e efeitos nocivos da exposição ao sol, e “conscientizar” os consumidores a fazer  uso diário de protetores solares, não somente no verão, mas também durante as estações mais frias, mesmo durante dias nublados. Uma boa maneira de educar os brasileiros para a importância desse uso,  seria através de campanhas nas praias, não só no verão mas ao longo do ano.

 

Artigo produzido em setembro de 2017. Fonte: Mintel. Pesquisa: “Suncare Brazil – December 2016”.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.