Ação calmante e protetora da pele exercida por algas vermelhas e marrons, frente à agressão de tensoativos e alisantes.

As algas marinhas, em geral, são ricas fontes de componentes inorgânicos e orgânicos de interesse cosmético tais como sais minerais, compostos iodados, microelementos, proteínas, carboidratos, aminoácidos, ácidos orgânicos e vitaminas.

A combinação das algas vermelhas e marrons: Hypnea Musciformis, Gellidiela Acerosa e Sargassum Filipendula compõem um ativo marinho de alto desempenho, formulada para a obtenção de máximo efeito sobre a pele. 

Processos especiais de beneficiamento fornecem a combinação de biopolímeros polieletrolíticos em tais condições que a sua estrutura original é preservada, permitindo a manutenção de elevada atividade biológica. No processo, são extraídos açúcares, proteínas, vitaminas, ácidos orgânicos, sais minerais e microelementos, os quais, ainda que presentes em baixas concentrações agem sinergicamente associados aos biopolímeros. 

A capacidade de formar películas hidratantes deve-se à combinação de biopolímeros de ácidos urônicos com polímeros de fucose, altamente higroscópicos e com poligalactosídeos sulfatados que associam substantividade com relação às proteínas com boa capacidade de formação de películas.

As interações iônicas entre os grupos sulfato dos poligalactosídeos e os radicais amina da pele conferem a este ativo elevada substantividade cutânea e capacidade de formação de película protetora, com ótimo desempenho sensorial e um toque suave, hidratando e conferindo ação firmadora à pele. 

Estudos utilizando voluntárias com idades entre 20 e 50 anos, submetidas à lavagem de áreas selecionadas do antebraço com tioglicolato de amônia (conforme podemos observar na figura I), sob condições controladas, seguida de análise de eritema demonstraram que a adição de apenas 0,8% do ativo com algas marinhas resulta em uma redução de 18% no eritema formado, confirmando a ação suavizante do ativo.

Figura I – Eritema formado após lavagens com solução de tioglicolato de amônia (ATi) e tioglicolato de amônia com ativo com algas marinhas (SH), ambos a 5%.

A grande afinidade da rede hidratante com as proteínas do cabelo ajuda a ordenar as cutículas danificadas por agentes químicos, físicos ou pela ação mecânica, recuperando o brilho e o balanço natural dos cabelos. Além disso, também protege e alivia a pele das irritações cutâneas causadas pela ação de componentes químicos agressivos em fórmulas cosméticas, tais como espumas de barbear, sabonetes líquidos, banhos de espuma, clareadores de pelos, alisantes para cabelos à base de tioglicolatos ou carbonato de guanidina (conforme podemos observar no gráfico I), cremes depilatórios e muitos outros.  Seu uso em sabonetes além de proteger a pele de irritações causadas pelos tensoativos (conforme podemos observar no gráfico II), mantém a integridade da barreira cutânea, evitando a perda de água transepidermal da pele sensibilizada. 

Gráfico I – Redução de Irritação no Couro Cabeludos Causada por Alisantes.

 

Gráfico II – Proteção contra Irritação Causada por Tensoativos.

Leia mais matérias sobre cosméticos e produtos de cuidado pessoal

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.