Pink Cheeks é exemplo brasileiro de inovação em cosméticos para o esporte

Pink Cheeks é exemplo brasileiro de inovação em cosméticos para o esporte

Três jovens mulheres brasileiras unidas pela amizade, esporte e empreendedorismo criaram a Pink Cheeks, uma indie brand que desponta entre grandes marcas com produtos focados nas necessidades diferenciadas da prática de esportes, mas que são tão eficazes que não ficam restritos a este público.
As atletas e empreendedoras Corina Cunha, Gisele Violin e Renata Chaim correm juntas desde 2009 e costumavam dividir as dores das bolhas, assaduras e queimaduras de sol com a frustração de não encontrar soluções satisfatórias no mercado. Em 2013, decidiram transformar as adversidades que sentiam, literalmente, na pele, em oportunidade, investindo na criação e produção de formulações específicas.
Cinco anos depois, a Pink Cheeks é destaque entre as 2.178 empresas devidamente regulamentadas para atuar no Brasil, sendo reconhecida pela agência Mintel como tendência na in-cosmetics Latin America 2017. Nesta entrevista exclusiva para a organização da feira, Corina, que é farmacêutica, e Gisele, que é administradora, falam da trajetória, desafios, lançamentos, do novo e promissor segmento de “beleza atlética” e de como a in-cosmetics representa um combustível de inovação e insights para um ano inteiro de trabalho.

in-cosmetics: Como foi este processo, da necessidade à decisão?

CORINA: Cada uma de nós tinha um tipo de problema.  Eu tinha melasma e fui desenvolvendo um filtro que não escorresse, não ardesse nos olhos, que durasse quatro, cinco horas de treino e ficasse na água, já que eu praticava triathlon. A Gisele tinha muitas bolhas nos pés, então criamos um produto para evitar este problema e para cicatrizar a bolha depois de formada. Já a Renata tinha muita assadura. Então fui fazendo estes testes no laboratório da minha farmácia de manipulação. Estes produtos acabaram caindo nas mãos de uma blogueira e, desde então, ganharam as redes sociais e a história da Pink Cheeks definitivamente começou naquela ocasião. Com o aumento da demanda, sentimos a necessidade de aumentar a produção e, então, decidimos montar uma indústria.

in-cosmetics: Quais são os diferenciais do negócio?

CORINA
: Somos a primeira marca de cosméticos no Brasil específica para atletas. Alguns dos nossos produtos, como o bastão para evitar assaduras por atrito, até já existiam nos Estados Unidos e outros países, mas nada parecido em nosso país.

GISELE: O nosso creme “Chamois”, que criamos com a mesma finalidade de antiassaduras, também foi o primeiro do tipo no Brasil. Abrimos um mercado, inauguramos uma categoria. Mesmo o filtro solar, que já é uma categoria mais consolidada, ainda não há um no mercado similar ao nosso, com proteção UVA e UVB tão alta, nem específico para o esporte, que não escorre com o suor.

 

in-cosmetics: Quais as principais dificuldades?

CORINA
: Sempre é o investimento, ou seja, a parte financeira. Uma marca pequena ou em expansão sofre com alguns processos básicos como, por exemplo, a compra mínima de embalagens, a negociação com fornecedores de matéria-prima que, em geral, lidam com as grandes indústrias cosméticas, etc. Além, é claro, dos investimentos em marketing e comunicação que, para este mercado tão competitivo, constituem cifras grandes.
Além disso, investir na própria indústria foi uma boa solução para nós, uma vez que conseguimos controlar melhor os lotes mínimos, o que facilita. Este foi o principal motivo de querermos ter toda a estrutura industrial em nossas mãos.

in-cosmetics: Mesmo focado em um nicho de mercado, os produtos são exclusivos para quem pratica esportes ou atendem outros públicos?

CORINA: Nosso branding é construído no esporte e nas pessoas ativas. Entretanto, devido à funcionalidade e à qualidade de nossos produtos, muitas pessoas usam em outras ocasiões de consumo, tais como: dia a dia, para necessidades específicas médicas como melasma, por exemplo, para pessoas que tenham assaduras nas coxas ao usar vestidos, etc. Ou seja, o produto tem o uso ampliado muitas vezes.

in-cosmetics: Hoje vocês são autossuficientes ou dependem de alguma ponta de mercado para completar o ciclo dos produtos?

CORINA: A nossa empresa é responsável por todo o processo de “criação” do produto, desde o desenvolvimento do produto, compra da matéria-prima, testes de estabilidade, produção, vendas, dentre outras etapas. Ou seja, temos os processos controlados por nós. Atualmente, só terceirizamos os testes de eficácia e de segurança.

in-cosmetics: Como é a linha de produtos? Qual o carro-chefe?

GISELE: Nós temos 57 SKU’s (produtos) no total. Nosso principal destaque em vendas é a linha de proteção solar, com o Pink Stick (um filtro solar facial com um fator de proteção dificilmente encontrado no mercado – FPS 90 FPUVA 70), e o Shield, único filtro corporal em bastão do Brasil. O Pink Stick, além de ser o campeão em vendas, conquistou em 2017 o prêmio da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) como protetor solar. Bateu, inclusive, um dos maiores players de mercado. Outro produto da categoria de proteção solar que representa uma grande fatia nas vendas é o nosso filtro iluminador Shine, que além de superpotente ainda proporciona um efeito de brilho para as meninas durante a corrida.

CORINA: Importante ressaltar, também, que lançamos, em 2017, a primeira linha de maquiagem para o esporte, a Sport Makeup, uma linha que representa uma grande tendência mundial, suportada pelas pessoas que hoje em dia querem praticar atividades físicas, mas também querem compartilhar, correr fazendo selfie, por exemplo. Querem estar bonitas para uma foto. Os produtos desta linha podem ser usados para fazer uma maratona (corrida de 42km), pois blindam a pele com altíssimo fator de proteção UVA e UVB e altíssima resistência à água. Têm uma praticidade pelo formato de bastão e a cobertura de efeito de maquiagem, que disfarça as imperfeições, o microrrelevo cutâneo e a diferença de tonalidade na pele. Basicamente, esta linha proporciona chegar da corrida ou de qualquer outro esporte, até mesmo da natação, bonita, pronta para subir no pódio.

GISELE: E apesar de termos lançado recentemente, em importância, já é a segunda categoria mais vendida.

CORINA: Nossa grande novidade agora é um produto para ser aplicado nos cabelos antes da natação. Ele neutraliza o cloro, evitando o ressecamento dos cabelos, pois forma uma cutícula biomimética nos fios, protegendo-os dos danos.

in-cosmetics: Durante a in-cosmetics Latin America 2017, vocês foram citadas pela Mintel como tendência, e um relatório recente da agência fala, justamente, de customização e do atendimento de necessidades específicas em diferentes regiões. Como é estar neste radar com cinco anos de empresa?

CORINA: É um orgulho muito grande para nós porque tira aquela ideia de que só as grandes empresas podem fazer sucesso. Acreditamos no trabalho duro e corremos atrás. E hoje olhamos para esses varejos grandes e sentimos muito orgulho de estar presente nessas redes. E a in-cosmetics Latin America é uma peça, uma ferramenta das mais importantes nesta história. Porque, através da feira, conseguimos ter contato com todos os fornecedores, todas as novidades, desde inovação às tendências. O show nos alimenta com insights, conhecimento e materiais para um ano inteiro de trabalho.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.