Alimentos e Cosméticos: Convergência na indústria de beleza

Alimentos e Cosméticos: Convergência na indústria de beleza

Uma das grandes tendências nos últimos anos é o aumento da convergência nas indústrias de alimentos e cosméticos. De um lado, estamos vendo consumidores tornarem-se mais perspicazes sobre seus hábitos alimentares, ao perceberem que a comida que eles comem tem efeito direto na sua saúde e aparência. De fato, a nova área de nutri-cosméticos surgiu para atender aos consumidores que buscam suplementos nutricionais com propósitos de beleza. Um outro grupo de consumidores está mudando suas dietas – alguns consumindo frutas frescas e vegetais e até mesmo “supercomidas” – para obterem nutrientes adicionais ou para fazer a “desintoxicação” dos seus corpos.

Do outro lado, vemos ingredientes alimentícios trilhando seu caminho para a indústria de beleza. Esse desenvolvimento é parcialmente gerado pela inovação; especialistas em desenvolvimentos de produtos e formuladores estão de olho nas cozinhas em busca de inspiração. Com muitos consumidores associando ingredientes alimentícios a benefícios a saúde, esses produtos cosméticos normalmente estão sendo promovidos com base nesses ingredientes. A empresa The Body Shop tem sido uma líder nesse aspecto, com imagens de ingredientes provenientes de hortas e plantações nas embalagens e prateleiras. Um grande número de produtos cosméticos está sendo promovido com base nesses ingredientes.

Algumas empresas de matérias-primas estão desenvolvendo ativos inusitados com origem em alimentos. Um exemplo é o ReGeniStem™ Red Rice, derivado do arroz vermelho do Himalaia. Produzido pela Lonza, o ativo natural é divulgado como possuindo qualidades antienvelhecimento.

Outras empresas de matérias-primas estão usando alimentos para criar novos ingredientes cosméticos. DuPont Tate & Lyle (expositor da in-cosmetics Brasil) foi formada com uma Joint-Venture entre a indústria química DuPont e a empresa de açúcar Tate & Lyle. Eles usam açúcar de milho para produzir o monômero 1,3-propanediol como uma alternativa para o petróleo em aplicações cosméticas.

Ingredientes provenientes de alimentos tiveram muito sucesso com cosméticos naturais. Algumas marcas, como a Yes to Inc desenvolveram linhas inteiras baseadas em um único ingrediente de alimento. Após seu sucesso inicial com o Yes to Carrot, a empresa Israelense desenvolveu outras linhas baseadas em mirtilo, pepino, tomate grapefruit e coco.

O fundador da Aveda, Horst Rechelbacher promovia a sua linha de Intelligent Nutrients como segura o suficiente para comer. De fato, em um dos Sustainable Cosmetics Summits, ele demonstrou a pureza da sua formulação abrindo um de seus sprays de cabelo, colocando em um copo e bebendo seu conteúdo. Que ótima maneira de demonstrar a indústria de cosméticos que ainda se dividiam entre as linhas de alimentação e cosméticos!

A convergência entre cosméticos e alimentação na indústria de beleza e cuidados pessoais será debatida na edição Latino Americana do Cosmetics Summit. O Summit será realizado paralelamente à in-cosmetics Brasil nos dia 28 e 29 de Setembro. Mais informações no site: http://www.sustainablecosmeticssummit.com/Lamerica

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.